• Casa Mães para Sempre

Luto paterno



O luto masculino é estigmatizado.

Na nossa sociedade, os homens são criados para engolirem suas lágrimas e não demonstrarem seus sentimentos, mantendo a imagem do inabalável guerreiro. A raiva é uma das poucas emoções que lhes é permitida manifestar e, dessa forma, para expressarem o luto, muitos buscam sentimentos e atitudes ligados à agressividade, à violência e à própria raiva.

Assim, as demonstrações nos períodos de luto tendem a ser limitadas, camuflando a dor e fazendo de conta que não falar sobre a morte do filho irá poupá-los do sofrimento.

A cobrança por uma postura firme e para assumirem o papel de apoio à mulher sensibilizada também é comum e, muitas vezes, não permite que os sentimentos paternos diante do luto se tornem visíveis e audíveis. Muitas vezes, os homens só expressam sua realidade interior quando a mulher atinge certa estabilidade emocional e eles sentem que cumpriram seu papel.

Mas o silêncio e a repressão sufocam emoções, palavras e lágrimas embaixo da armadura e podem ocasionar diversas reações fisiológicas como insônia, mal-estar, estresse, fadiga e depressão.

A aparente indiferença e frieza também pode gerar um afastamento entre os casais e magoa muitas mulheres. Mesmo sabendo que há condicionamentos sociais muito arraigados, essa realidade dói e pesa na convivência. A reação tão distante de homens e mulheres diante da morte de um filho pode gerar ressentimentos irreconciliáveis.

Entretanto, é importante ressaltar que os homens não se enlutam menos ou sofrem menos que as mulheres. É a forma de vivenciar a dor que se difere. Por isso, precisamos abrir espaços em que a vulnerabilidade masculina possa se manifestar e ser acolhida.



Você não está sozinha(o)!

A Casa Mães para Sempre é um centro de apoio aos pais e mães enlutados.

Entre em contato:

(11) 99965-2817

  • Wix Facebook page
  • Instagram